Ultrassom Natural – Encontro Especial Dia da Mulher

Você conhece o Ultrassom Natural (ou Belly Maping)? Trata-se de um tipo de arte gestacional, em que mapeamos e pintamos o bebê na barriga da mãe. É um trabalho artístico, que promove conexão, aumenta o vínculo da mulher e família com o bebê, já que todos podem participar desse momento, e ainda permite que guardem uma lembrança tão especial da gestação.

Pensando nisso e aproveitando o mês de março, que é tão relevante para todas as mulheres, fizemos uma parceria linda com a Enfermeira Obstétrica Carla Ribeiro. Ela já desenvolve o trabalho de Ultrassom Natural em Minas Gerais e virá especialmente ao RJ. Nessa oportunidade, conduzirá conosco um encontro em que pintaremos as barrigas das mulheres, apoiando-as nesse momento da gestação e celebrando com elas a chegada do bebê na família.

16833483_1225234604179956_299946336_o

16880890_1225235307513219_661145271_o

 

Queremos convidar você para fazer parte desse encontro!

Quem pode participar?
Gestantes a partir de 32 semanas.

Quando será?
Dia 18 de março, sábado, a partir das 9h.

Onde será?
Na Reserva do Grajaú.

Quanto custa?
Nada! E você ainda ganha fotos de recordação deste momento! A preferência é por gestantes que não tenham condições financeiras de pagar por este serviço, assim elas também têm a chance de fazer um belo registro da gravidez.

Quero me inscrever, como faço?
Como as vagas são limitadíssimas, aceitaremos confirmações apenas por e-mail (partoporamor@partoporamor.com.br). As 10 primeiras pessoas que se inscreverem serão confirmadas e as seguintes entrarão na lista de espera. Por isso, pedimos para só se inscrever se você tiver certeza de que poderá participar e, caso não consiga ir, nos avise com o máximo de antecedência possível e ceda sua vaga a outra gestante da fila.

Para nós, será um momento muito importante e gratificante de aprendizado e contato com as gestantes.
Adoraremos receber você, inscreva-se!

Amamentação – o básico que você precisa saber

Amamentação – o básico que você precisa saber

O que é fundamental para o sucesso da amamentação? Será que é só querer e se informar? Será que é necessário se preparar fisicamente? Evitar chupetas e mamadeiras a todo custo? Acreditar na sorte? Esperar o bebê nascer para ver o que acontece?

Pode ser isso tudo e muito mais.

A amamentação, embora seja fisiológica, não é fácil ou natural. É necessário aprender técnicas, se conectar com o seu bebê e estar bem preparada para os desafios que essa relação pode trazer. Com certeza, a amamentação é um momento bonito e único entre você e seu filho, mas é preciso não romantizar a beleza do momento, ignorando as questões práticas. Dar o peito é lindo, é importante, é recomendado pelos mais sérios órgãos de saúde do mundo, mas dá trabalho sim (aliás, quem disse que alguma coisa relacionada à maternidade seria fácil?).

Mas não se preocupe! Baseadas em muitas perguntas que chegam pra gente, seja virtualmente, em consultas ou em rodas de conversa, fizemos um resumão bem legal sobre o que é amamentar e como lidar com cada etapa da amamentação:

Antes de começar… uma palavra sobre empoderamento
Assim como na gravidez e no parto, para uma amamentação ser bem-sucedida, é importante se munir de boas informações. E não estamos falando só de informações acadêmicas ou baseadas em evidências. Fique atenta às informações sobre você, sobre seu corpo, seu seio. E também sobre seu filho: como ele é, porque ele chora, como é seu corpinho, como ele reage. Informação a respeito dos dois, aliada à informação sobre amamentação em geral e confiança no processo são fundamentais nessa jornada. Uma mulher instrumentalizada, informada, confiante e que observa a si mesma e ao seu bebê, tem grandes chances de sucesso na amamentação. Acredite em você e acredite no seu leite!

Foto: Roda de Conversa Parto por Amor

– Como posso preparar o seio para a amamentação?
Existe um conselho muito difundido de que você deve usar bucha nos mamilos e afins, mas cuidado! O objetivo de preparar os seios para a amamentação é deixa-lo mais forte para encarar um bebê que vai mamar bastante (e pode vir a ferir o seio). Ao passar a bucha, você enfraquece a pele do mamilo, tornando-a mais suscetível a pequenas fissuras e rachaduras. Uma boa preparação para amamentar é simples: 15 minutos de sol nos mamilos por dia e uso de sutiãs com boa sustentação (evite aqueles que tem aro).

– Quando o leite demora para descer depois do parto?
O leite demora cerca de 2-3 dias para descer quanto o parto é normal e 3-4 dias quando o nascimento for por uma cesariana. Mas não se preocupe: até lá seu bebê se alimenta do seu colostro, que é aquele leite bem transparente e rico em anticorpos e ele é suficiente para esses primeiros dias. Para você ficar ainda mais tranquila que o seu bebê está se alimentando corretamente, fique atenta à pega correta ao seio:

Foto: Grupo GVA

– Qual é a melhor posição para amamentar?
A que for mais confortável para você. O importante é manter o bebê com a cabeça mais elevada do que o corpo e apoiada de forma segura, para que ele não erre a pega.Lembre-se de que você vai precisar de sustentação nos braços, para aguentar o peso do bebê e também é legal ter bastante água por perto e alguma comidinha fácil de comer – fruta ou biscoitinho. Pense que essa será sua atividade principal durante os próximos meses, então prepare um cantinho bem confortável para esse momento. Se for possível, é legal que o ambiente seja calmo e tranquilo, para que o momento da amamentação seja relaxante e você consiga se conectar com o seu bebê, favorecendo assim a produção e a descida do leite.

– Como o bebê deve estar posicionado?
Existe a posição tradicional, que é bebê deitado nos braços da mãe, em leve diagonal, barriguinha de frente para a barriga da mãe e cabeça bem acomodada na curvatura do braço/cotovelo, para evitar que a cabeça fique solta. Mas também é possível colocar o bebê em posição cruzada, o que favorece a produção e o esvaziamento completo da mama. Veja as opções possíveis abaixo:

Foto: Vila Mamífera

– Devo trocar de mama durante a mamada? Quanto tempo deve durar a mamada?
Não é necessário (e nem recomendado) trocar o bebê de peito durante a mamada. Assegure-se de que o bebê esvaziou toda uma mama antes de passar para a outra. Isso porque o leite materno é composto pelo leite anterior, que é o primeiro que sai, mais ralinho e rico em água (excelente para matar a sede); e leite posterior, que é o leite mais rico em gorduras, que nutre e ajuda o bebê a engordar. Se você retirar o bebê de uma mama sem que ele tenha chegado ao leite posterior, pode ser que ele não tenha uma mamada satisfatória, sinta fome muito rapidamente e que sofra problemas de ganho de peso. A mamada também não tem um tempo definido, observe seu bebê e veja se ele ficou satisfeito após amamentar ou se ainda parece inquieto e nervoso. Tem bebês que mamam durante longos minutos e outros que rapidinho “resolvem o problema”. A observação é chave!

– E se meu seio ferir logo nos primeiros dias?
Feridas nos mamilos estão relacionadas à pega incorreta. A primeira coisa que você deve fazer é verificar se seu bebê está abocanhando corretamente o seio (lembrando que, na pega correta, o bebê abocanha mamilo e a maior parte da aureola que o bebê conseguir, e não só o mamilo!). Evite bicos artificiais, como chupetas, mamadeiras e bicos de silicone nos seios – tudo isso ensina uma forma de sugar diferente ao bebê, que pode errar a pega na hora de mamar e acabar te machucando. Também é bom evitar receitas caseiras para solucionar o problema, como colocar cascas de banana, mamão e afins. No caso de feridas, passe um pingo de leite materno nos mamilos e deixe secar naturalmente e sem sutiã após – de preferência no sol.

– Como resolver leite empedrado?
Se você notou que o leite empredrou, ou seja, sentiu pontos duros e doloridos na mama e ela encheu demais, existem algumas coisas que podem ser feitas para aliviar: evite compressas quentes, pois elas estimulam ainda mais a produção e podem agravar o problema; aposte em um sutiã com boa sustentação, que irá conter um pouco a produção, massageie os seios de forma a desfazer os nódulos e ordenhe um pouco para aliviar o desconforto.

– Como devo massagear e ordenhar os seios?
A massagem deve ser feita com os dois dedos, polegar e indicador, em movimento circulares e deve ser feita de forma profunda, iniciando pela aureola e percorrendo toda a mama, até a base dela, inclusive região axilar. Depois dessa massagem efetiva e com a redução dos nódulos de leite, você pode ordenhar um pouco com bomba manual ou elétrica ou de forma totalmente natural (veja vídeo de ordenha manual abaixo):

– Amamentação exclusiva em livre demanda: o que é isso? Por quanto tempo o bebê deve ser alimentado exclusivamente de leite materno?
Amamentação exclusiva em livre demanda é quando o bebê mama somente no peito da mãe e sempre que solicitar. Aquele conselho de amamentar a cada 3 ou 4 horas já caiu em desuso, pois existem inúmeros fatores que influenciam na hora do bebê pedir o seio da mãe. Você não precisa marcar horário, só fique atenta para que, nas primeiras semanas, o bebê não passe muito de 4 horas sem mamar. Se ele pedir antes disso, tudo bem. Também é importante não oferecer nada além de peito ao bebê, nem água, suco, chás, papinhas etc. O leite materno é capaz de suprir as necessidades nutricionais (fome, sede) e emocionais do bebê exclusivamente até os seis meses de idade. A partir daí, inicia-se a introdução alimentar, mas até o primeiro ano de vida, o leite materno ainda é a principal fonte de nutrientes do bebê. Ao redor dessa época, ele já estará com a alimentação mais consolidada e a amamentação troca de lugar com a alimentação, ocupando função nutricional secundária. Mesmo assim, tanto a OMS quanto o MS recomendam amamentação continuada até, no mínimo, 2 anos de idade.

– Com que idade devo desmamar o meu bebê? Só a partir dos 2 anos mesmo?
Como falamos anteriormente, de acordo com diversos órgãos de saúde, o ideal é amamentar até pelo menos dois anos. Depois disso, fica a critério da mãe como conduzirá esse desmame, caso seja o desejo dela. Nós recomendamos que o processo seja conduzido com o maior respeito e paciência. É fundamental ter em mente que amamentação não é só nutrição: é contato, afeto, acolhida, sentimento. Nesse sentido, lembre-se que o seu filho não mama só por fome, mas por muitos outros motivos que merecem atenção especial. Se você não deseja conduzir um desmame, também é possível esperar o desmame natural, que é quando a criança se desinteressa pelo seio sozinha, sem estímulos externos.

Foto: Roda de Conversa Parto por Amor

– É verdade que chupetas e bicos artificiais confundem a pega e atrapalham a amamentação?
Sim, é verdade. Nem sempre isso irá ocorrer, mas na maioria dos casos, sim. Como já falamos antes, a forma que o bebê suga chupetas, mamadeiras e demais bicos é diferente da maneira que suga o peito. É muito provável que o bebê que usa bicos faça pega errada ou ordenhe de forma ineficiente o seio, o que pode acarretar vários problemas, como feridas causadas pela pega errada, bebê irritadiço porque acha difícil sugar de forma diferente, mamadas ineficientes que fazem com o que o bebê tenha fome mais vezes e se irrite cada vez mais, queda brusca na produção – o bebê que não sabe pegar e se irrita na hora de mamar vai solicitar cada vez menos e o corpo da mãe consequentemente irá produzir cada vez menos, e, finalmente, um desmame precoce. Não estamos afirmando que você não deve oferecer mamadeiras ou chupetas para o seu filho, mas é importante fazer escolhas informadas e conscientes, como tanto defendemos (leia mais sobre a confusão de bicos aqui!).

Relato de parto Olivia – parto com transferência para hospital

Relato de parto Olivia – parto com transferência para hospital

Receber relatos de parto é sempre um momento de alegria e emoção pra nós, é uma oportunidade de reviver os momentos que compartilhamos com aquela família.

Acompanhe o relato da Olivia sobre o nascimento hospitalar do Gael.


Não sei bem por onde começar… Talvez pelo fato das coisas não serem como a gente sonha… Como eu queria parir em casa, foi o maior sonho que eu já tive, a alegria de ter meu bebê no colo vem com uma gotinha de frustração, mas sou tão grata de ter um bebê saudável e lindo, que me apego a isso e procuro esquecer essa frustração.

Gestação de baixo risco, bebe encaixou super cedo, todos achamos que iria vir logo, mas lá estava eu com 40+6 louca que ele não vinha. Fui na acupuntura esse dia e no outro teria que ir fazer cardiotoco, meu pavor de ir para um hospital. Sempre escutei “quando vc menos esperar ele vai vir”. Pois é…

Com meu companheiro (Gui) íamos assistir a trilogia de matrix, mal sabia eu que assistiria só o primeiro filme rsrs. As contrações tinham começado. As 18 elas começaram a vir de hora em hora, pedi pro Gui comprar uma pizza lá pelas 22 , quando ele chegou de buscar lá pelas 23 já não seria tão fácil cumprir meu desejo, ficou difícil de comer hahaha. As contrações estavam de 10 em 10, 5 em 5, bem irregulares, eu sabia que ia demorar muito ainda, mas o Gui não, ele já quis montar a banheira e encher de água por mais que eu pedisse pra não fazer ele não me ouvia (foi um saco isso) e assim foi chegando a madruga. Minha melhor amiga chegou não sei que horas e meu marido chamou a fotógrafa ( ele achava mesmo que faltava pouco).

Assim passei a madrugada em prodromos mas eu já estava pirando de dor, não conseguia me entregar a dor, fazer dela minha amiga, nem nenhuma das coisas lindas que li.

Acompanhando um parto como doula disse a mulher: não resista a dor. Bom… eu não consegui aceitar a dor em momento nenhum. Quando deu 7 AM pedi pra EO dar um pulo em casa ver se estava tudo bem com o bebê. Ela foi aguardou umas contrações, estava tudo bem mas ainda de 6 em 6 minutos. Ela foi embora e eu tentei descansar. Dormi meia hora com contrações de 10 em 10 acordava urrando de dor pq ficar deitada era horrível. Quando deu 11 00 pedi pro Gui dizer a fotógrafa que fosse embora, eu não estava muito confortável com as tantas horas que ela estava em casa. Ali parecia que tudo tinha parado. Eu tava na piscina rindo e conversando.

O Gui foi dormir, eu decidi que tinha que fazer essa porra funcionar. Comecei a ficar mais em pé, me mexer mais e aí o negocio começou a ficar foda e eu entrei num processo de briga com a dor que foi até o fim. Já aí eu disse que não aguentava mais, que quem foi o infeliz que inventou essa porra de parto natural, domiciliar, doula e essa merda toda. Pedi pra minha amiga chamar minha equipe que chegou em casa lá pelas 14:00 e foi a melhor coisa do mundo. Elas faziam massagem com óleos e o negócio começou a engrenar. Eu estava na bola e quis ir pra piscina (estou relatando do jeito que eu lembro), elas pediram pra sair pra medir os BFC do bebê e eu queria voltar pra piscina mas elas pediam pra esperar, depois de um tempo elas me disseram que o batimento do bebê estava acima do normal e que, por segurança, precisaríamos ir pro hospital.

16473413_10211505141241287_8793094866485175639_n

Meu mundo caiu, comecei a chorar como louca e falava que se eu ia pro hospital ia fazer cesariana pq meu sonho já tinha ido pro ralo e eu não aguentava mais a dor e tinha medo de V.O. Elas me diziam que eu ainda podia parir que podia ser natural do jeito que eu queria, mas pra mim mais nada tinha sentido. Elas e meu marido decidiram ir pro MMA (até pq eu só falava bosta, que queria ir pro Carmela fazer cesariana, bem a Flavia (EO) me conhecia e sabia que tudo isso era da boca pra fora) fizemos meu primeiro toque, estava com 6 cm. Fomos pro hospital chegamos em 25 min, às 18:30. Eu urrava de dor loucamente. A pior parte de tudo foi aí. Eu na maternidade esperando pra ser avaliada e todas as mulheres ali me olhando da pior forma pelo jeito que eu chorava e gritava. Queria mandar todo mundo tomar no cu, mas não tinha forças pra isso. Fui fazer o toque. 9 cm bebê baixinho, batimentos normais, ia direto pra sala de parto.

A melhor parte foi aí: MINHA EQUIPE ENTROU COMIGO, ELAS FIZERAM MEU PARTO!!!!!!! Foi a maior alegria. Fui pro chuveiro e eu gritava feito uma maluca. Aí nem lembro mais a ordem das coisas, só sei que eu pedia arrego, mas a Flavia me lembrava sempre como eu queria meu parto natural. Quando lembro da Flavia parece que ela tinha uma energia cristica, como se fosse a própria virgem Maria me dando consolo. Lembro de orar muito pra Kuan yin. Lembro também de querer minha mãe e ficar puta por ela não fazer parte da minha vida, lembro de dizer pra mim mesmo que não podia entrar nessa.

Teve uma hora que a Flavia precisou ir tirar o carro de onde estava, como essa hora o RJ é perigoso meu marido foi junto. Eu só pedia a merda da analgesia, mas no fundo eu não queria. No que eles voltaram minha bolsa estorou, adorei aquele barulho. Eu tava exausta demais, fui pro cavalinho cavalete – sei lá o nome daquilo. Foi a melhor coisa pq eu podia dormir no meio das contrações e acordava pra fazer a força. Então não sei em que momento a cabeça saiu e o corpo saiu. Ele foi pra minhas costas e lembro daquele quentinho foi a melhor sensação do mundo. Veio pro meu colo, papai cortou o cordão e foi pra minha tetinha… choro só de lembrar… e eu chorava e gritava EU CONSEGUI!!!!!

16473607_10211505141041282_8746869673916755866_n

As 22:37 do dia 28 de dezembro, conheci meu grande amor, o Gael. Com exatas 41 semanas.

16473311_10211505140601271_1720462474563506476_n

Eu sei que quem faz o parto é a mulher, mas eu só fiz graças a minha equipe que não me deixou desistir e não ouviu meus delírios na hora do parto. Vou ser eternamente grata a elas que confiaram mais em mim do que eu mesma confiava. Escolhi a melhor equipe do mundo, ou a melhor equipe pra mim rsrs. (Uma delas foi backup, por isso falo muito da Flavia, que me acompanhou no pré natal, mas ela (Ana) foi uma amor a equipe tem muita sintonia.)

Odiei o pós-parto no hospital. Fiquei com edema e laceração, mas não levei ponto. O que o MMA tem de humanizado no parto não tem nada no pós-parto. Tirando uma enfermeira (Simone) que foi um amor, o resto, pediatra, obstetra e outras enfermeiras foram todas péssimas, sério.

Minha equipe foi Parto por Amor. E tem que ter amor mesmo, meu marido disse que eu até gritei bem na orelha da Flavia kkkkkkkk. Enfim, meu parto foi perfeito mesmo não sendo domiciliar. Um dia sei que que essa frustração vai sumir por completo. Passei longe longe de de um parto orgásmico e essas coisas de prazer na dor. Mas foda-se, eu pari sem analgesia e sem ocitocina sintética nem nenhum tipo de V. O. 👏 👏 👏

16387056_10211505140681273_4076762644441433945_n